Daily Archives: May 14, 2003

Slow Motion

a rede está lenta. ou melhor, o speedy, como sempre, está ridiculamente lerdo.

vou dar um tempinho e já volto.

tô vendo o jogo do corinthians.

update – os comentários estão offline, o wbloggar não está postando, há algo errado acontecendo também com o blogger.com , enfim, o de sempre.

Rio de Janeiro

Acabei de ler os comentários dos posts. Paulinha falava do Rio de Janeiro. Eu não entendo o que está acontecendo, é muito doido.

Esta notícia que está na capa do UOL, reproduzidas por todos os telejornais esta noite, é intrigante: como assim, adulteraram as fitas

gravadas pelas câmeras de segurança da Estácio de Sá? Quem tem acesso a essas fitas e teria apagado as imagens que documentaram a origem

do tiro que acertou a estudante Luciana? Quer dizer que a pessoa que atirou sabia que tinha câmeras gravando e foi lá apagar? Mandou alguém apagar?

Ou alguém que trabalha com as fitas teria oferecido o serviço de apagá-las para quem atirou?

É tão dantesco, tão ionesco aliás, que eu não consigo nem teorizar sobre o que pode ter acontecido…

vou esperar com muita curiosidade o desfecho desta história absurda.

Queridos Leitores

Teca, espero também que a Hanna esteja melhor. E sinto muitíssimo, Natália, por sua avó materna ter partido.

Lidar com a dor é sempre difícil, a dor humana de todos nós.

Agora há pouco, por exemplo, vi uma das imagens mais chocantes da tv em tempo real: um torcedor do corinthians,

tentou pular uma grade alta, que separa as torcidas, e aqueles espetos de ferro, pontiagudos, atravessaram o corpo do

rapaz, nas costas e em uma das pernas. Ele ficou pendurado, no alto, de cabeça para baixo, com aquelas lanças atravessadas

em seu corpo…dava pra sentir a dor na gente, pela tv.

O Galvão Bueno ficou totalmente abalado. E o pior, só trinta e poucos minutos depois, os policiais conseguiram tirá-lo de lá e

levaram o torcedor, de nome Ruy, para o Hospital das Clínicas.

Que Deus o proteja.

Philippe Starck

Há uns dez anos, no milênio passado, ouvi falar de Philippe Starck pela primeira vez. Uma assistente de uma socialite-decoradora sugeriu que eu colocasse na parede umas “arandelas tipo Phillipe Starck”.

Eu não sabia nem o que eram arandelas quanto mais do tipo Philippe Starck.

Nessa época não existia nem Internet cvomercial no Brasil e eu não sabia nem escrever o nome dele corretamente (ainda não sei, tive que ler uma nota pra ver que era com dois ‘p’s). Mas fiquei curiosa em descobrir quem era esse designer tão famoso que os especialistas conheciam e recomendavam.

Acabei visitando um dia, o Hotel Delano, em Miami, durante um trabalho como repórter para o Show Business. O hotel é decorado por Starck (e cujo restaurante é de propriedade de Madonna, ou era, ou assim, me disseram). Ele é, de fato, originalmente genial.

Starck é consagrado pelos italianos como designer de móveis, foi contratado pelo ex-presidente francês, François Miterrand para dar vida nova ao Palácio nos Campos Elíseos, transformou os hotéisl Royalton e Paramount de Nova york em grandes hits do mundo hoteleiro, lotou o Japão de trabalhos arquitetônicos, transformando-se num dos expoentes da arquitetura contemporânea mundial.

A web está lotada de links sobre Philippe Starck e, claro, ele tem um ótimo site no seu próprio dominio.

Agora, li no Blue Bus que o designer francês estará no Rio de Janeiro nesta 6a. feira Ele vai projetar um Hotel na Vieira Souto . Imagine o show que vai ser. O pessoal da chamada “A – gargalhada ” (classe AAA) terá uma nova opção para hospedagem.

Ah, sim, a ilustração do lado direito é um espremedor de frutas projetado por ele.

chegar, cheguei



só que estou tão cansada que não tenho nem certeza se estou mesmo aqui.

primeiro foi um zumbido no ouvido. agora, zumbido nos olhos! estou meio hipnotizada, estranho.

e tenho que decidir se vou ou não conseguir chegar a um jantar de aniversário no morumbi, perto do estádio onde acontece esta noite o jogo do corinthians.

já viu. a cidade está uma loucura.

por enquanto, vou postando.

isto é, se o Tico encontrar o Teco.

Cinza

O dia está escuro, cinzento. Está garoando. Faz frio. Um horror. E não é o cinza ratinho, como dizia o Didu Morumbi, personagem sãopaulino chiquésimo do finado programa do também finado Estevão Sangirardi, no show de rádio, um sucesso de humor após os jogos de futebol. está cinza chumbo mesmo.

E nesta manhã plúmbea, lanço-me ao trânsito para ir até a produtora a TV7, onde gravamos o Tudo Avon.

No café com jornal, uma manchete de capa, no Estadão, me fez perder o apetite: policiais civis de são paulo sequestram filho de traficante ; pediram 150 mil dólares de resgate.

quando a polícia começa a sequestrar é porque o nível de oxidação, a ferrugem, já corroeu todo o ferro.

vou trabalhar, honestamente, como você, como todos nós, na nossa missão de combater a ferrugem….

bom dia